Aventurando na Escrita Científica (2) - Animais do Cerrado

Início de ano letivo, ano de formatura, ano de monografia. Ontem mesmo já falaram todas as datas de apresentação =/... É mas todo mundo que já fez uma graduação já passou por isso e comigo não seria diferente, né? Bom, meu projeto está bom, só preciso fazer uns ajustes aqui e ali, mas, enquanto isso, volto a falar dos vários temas que tive e que renderam bons conhecimentos. No último Aventurando na Escrita Científica falei sobre as estruturas que o ser humano desenvolveu e que o destacaram das outras espécies do planeta; hoje vou falar sobre as principais ameaças aos animais do Cerrado, tema de um artigo que escrevi em 2010.

O Cerrado, essa grande formação vegetal brasileira que ocupa áreas de 11 estados, principalmente GO, MG, MA, MT, MS e TO foi intensamente devastada durante os anos, principalmente após a chegada dos europeus no século XVI. Esse bioma possui diferentes formações vegetais, as chamadas fitofisionomias. Entre elas, temos o campo limpo, com apenas vegetação rasteira; o campo rupestre, com altitude acima de 900 m e o Cerrado sentido restrito, com árvores baixas e de caule retorcido, arbustos e ervas; a vegetação típica do bioma.



A fauna do Cerrado é muito diversa e ainda não totalmente conhecida; estima-se que nos rios existam muito mais espécies de peixes do que se conhece. Infelizmente, toda essa diversidade está ameaçada. A destruição de habitat se tornou a principal causa da extinção desses animais. O Cerrado é destruído, sobretudo, pela expansão urbana e agropecuária, que converte vários hectares de vegetação natural em lavouras e pastagem. Além disso, carnívoros como o lobo-guará e a suçuarana são vítimas de abate ilegal por parte de fazendeiros, pois como não encontram presas em seu ambiente, vão até fazendas e predam criações.

O desmatamento é muito grave, ameaçando várias espécies de primatas e os rios, pois com o fim da cobertura vegetal das encostas os riscos de erosão e assoreamento são bem maiores. Além do assoreamento, pesticidas ameaçam os rios do Cerrado, pois esses venenos escoam até os corpos d'água e os contaminam, levando a morte muitas espécies de peixes ameaçadas de extinção. Além dos peixes, outra espécie muito ameaçada é o pato-mergulhão, uma população na Serra da Canastra, a única da América do Sul. Com a urbanização, os rios ficam cheios de detritos e a água fica turva, comprometendo o modo de vida desse animal.

Outra ameaça são as queimadas. Algumas são naturais, outras já são causadas pelo homem, essas são perigosas. Feitas para estimular o rebrote do pasto, o uso não-manejado do fogo no Cerrado compromete animais e seus ninhos, já que quando a queimada vem os filhotes, na maioria das vezes, não fogem e os adultos, quando fogem, perdem sua área de ocorrência, entrando em conflitos com fazendeiros ou sendo atropelados.

Mas nem tudo está perdido, várias iniciativas do governo, de ONGs e de universidades estão tentando salvar o Cerrado de tudo isso e muitas já estão dando resultados. O que deve ser feito é todo mundo se conscientizar da importância desse bioma para todos e, assim, preservá-lo e usá-lo de forma sustentável. Caso contrário, existem estimativas para o fim do Cerrado até 2030. Mas isso não vai acontecer, espero!
Aventurando na Escrita Científica (2) - Animais do Cerrado Aventurando na Escrita Científica (2) - Animais do Cerrado Reviewed by Túlio Lima Botelho on 09:06 Rating: 5

Nenhum comentário: