O papel da Educação Ambiental

Muito se fala em Educação Ambiental... Ainda mais nos dias de hoje onde assuntos relacionados à preservação do meio ambiente estão em alta... Mas o que é a Educação Ambiental? Como ela pode ajudar? Como ela funciona?

O nome já diz tudo, lógico! A Educação Ambiental (EA) é aquela educação que visa uma mudança de conceitos sobre o meio ambiente, olhando para sua conservação, sem esquecer de nenhum ser vivo do planeta.

Há muito tempo, principalmente a partir do início do século XX, que as questões ambientais começaram a ser discutidas pelas pessoas e cientistas. Elas viam que os recursos naturais não eram infinitos e que mais cedo ou mais tarde uma crise por eles iria chegar. Alguns desastres ambientais, como o smog londrino em 1952, e publicações como Primavera Silenciosa, de Rachel Carson, deram mais ânimo às discussões sobre o que estava acontecendo com o planeta e o que poderia ser feito para reverter esse quadro.

O tempo passou e muitas alternativas foram propostas, postas em práticas, mas sem a Educação Ambiental, nenhuma delas daria muito certo. Afinal, as pessoas precisariam aprender essas alternativas: como fazer? Para que servem? Qual a utilidade e importância?

O termo Educação Ambiental surgiu na Grã-Bretanha, em 1965. Na ocasião, foi aceito que ela seria essencial na educação de todas as pessoas e na defesa da natureza. Muitas conferências surgiram para estudar essas práticas educacionais (Estocolmo-1972, Belgrado-1975, Tbilisi-1977, Moscou-1987, Rio-1992, Thessaloniki-1997). E a cada conferência, mais força essa modalidade de educação ganhou, já que ela ajuda muito na melhoria do meio ambiente.

Muitas vezes, em aulas de EA se fala dos biomas do mundo, sua degradação e o que se pode fazer para ajudar; isso está certíssimo, mas a EA é muito mais que a repetição de uma aula de Ciências ou Biologia. Ela busca uma mudança de paradigmas, de hábitos. Afinal, são essas mudanças que vão fazer resultado na preservação dos habitats. A cada mudança de hábito que fazemos em nossas atividades diárias, somamos um ponto na defesa do meio ambiente.

E, para ser eficiente, a EA deve ser voltada para a sustentabilidade, numa conciliação entre desenvolvimento e conservação da natureza. Para isso ela deve estar ligada aos vários assuntos do cotidiano, com uma visão holística de todas as faces das ações humanas e as realidades existentes. A EA deve ser local, com um olhar global, de acordo com a realidade das pessoas que você está trabalhando. De que adianta você conscientizar sobre o desmatamento da Amazônia a crianças do Japão? É legal eles saberem, mas é ideal o conhecimento sobre melhor uso do solo de seu país.  

Deve-se deixar claro às pessoas que você está educando que é possível se desenvolver, obter seu lucro, mas tudo com respeito ao meio ambiente. Essa é a premissa básica, na minha opinião, para que uma Educação Ambiental seja eficiente. Muitas pessoas não recebem a EA de coração por achar, muitas vezes, que preservar a natureza quer dizer viver no meio da floresta, sem nada que a modernidade traz.

Esse é um conceito muito errado. No mundo de hoje, abandonar a tecnologia é impossível. O possível é saber utilizá-la com consciência, descartando corretamente quando ela já passar da validade. É nisso que você, educador ambiental, deve se focar.

Todos nós somos educadores ambientais. Basta querer fazer algo em prol do meio ambiente. Uma cobrança pelo lixo jogado na lixeira, economia de água em casa, palestras em escolas, um texto em um blog... Tudo isso é Educação Ambiental. 
O papel da Educação Ambiental O papel da Educação Ambiental Reviewed by Túlio Lima Botelho on 21:06 Rating: 5

Nenhum comentário: