Metas para um candidato a prefeito #2 - Saneamento básico

Pode não ser a realidade de todo o Brasil, mas muitos municípios possuem localidades que ainda não são atendidos com o saneamento básico. São fossas mal planejadas e mal instaladas, esgoto a céu aberto e falta de higiene que coloca em risco a saúde e o meio ambiente.


Num bairro onde não existe uma rede de coleta de esgoto ou fossas sépticas, os dejetos são lançados diretamente no solo ou na água. Esses dejetos possuem substâncias tóxicas e micro-organismos patogênicos que, lançados em grande quantidade, vão poluir o ambiente. Isso sem falar nas emissões de metano originadas da decomposição das fezes. Não vai ser viável a plantação (e nem adianta falar que já vem "adubadinho", aqui a questão é diferente e muita coisa ruim sai quando você vai ao banheiro), pois a contaminação do solo pode prejudicar os vegetais cultivados e a morte de microbiota útil da terra; na água, os seres vivos são muito afetados, sumindo todos deste rio.

No entanto, não é somente nas cidades que esse problema ocorre. Na zona rural, como não existe rede coletora de esgoto, as fossas são a forma de se descartar os dejetos. Só que muitas delas são mal feitas: ou são apenas um buraco no chão onde as pessoas fazem suas necessidades (a "casinha") ou algo mais trabalhado, mas ao mesmo tempo sem uma proteção eficiente ao solo (algumas são caixas de cimento onde são enviados os dejetos, mas com alto risco de vazamentos).

O ideal é a construção de fossas sépticas, um tipo de fossa onde o tanque que armazena o que você faz é totalmente protegido contra vazamentos, protegendo o solo e lençol freático de qualquer tipo de contaminação. Além disso, a constituição da fossa permite que a parte sólida deposite no fundo, onde as bactérias vão digerir essa massa. A parte líquida acaba perdendo muito dos componentes tóxicos e é levada para outros locais, saindo totalmente limpa.

Para contornar esse problema da falta de destino correto, as prefeituras devem agir na elaboração de programas de saneamento básico, sempre com a participação de uma agência desse setor. É preciso atuar na regularização das regiões mais necessitadas de saneamento, canalizando todo o esgoto. É importante também atuar na manutenção da rede coletora já existente, para evitar vazamentos e danos maiores ao meio ambiente.


Caso não seja possível, numa cidade, levar a rede coletora até certas localidades, vamos instalar as fossas. Pode não ser muito barato, mas os benefícios tanto para o meio ambiente quanto para a saúde da população serão imensos. E falando em benefícios à saúde, todas as cidades possuem Estações de Tratamento de Água (ETA), mas e as ETEs (Estações de Tratamento de Esgoto)?


Essa é outra meta que os candidatos, em parceria com companhias de saneamento, devem ter. Acredito que isso deva ser de uma responsabilidade conjunta, pois a ETE só vai trazer benefícios à cidade. Tratando o esgoto, acabarão com os lançamentos aos córregos e rios que cortam nossas cidades. Atualmente, o cheiro que vem deles é insuportável, além da poluição que se propaga pelos afluentes.

O ribeirão que corta minha cidade, por exemplo. Ele vai desaguar na represa de Furnas, onde muitas pessoas pescam, dentre outras atividades. Agora imaginem a quantidade de dejetos que não existe lá, vindos de várias cidades cujos corpos d'água carregam esgoto. Some isso ao esgoto vindo de empresas, que piora ainda mais a situação. É impacto ambiental que não acaba mais, com regiões sofrendo com a poluição vinda de quilômetros!

Candidatos e futuros prefeitos, incentive a construção da ETE, da manutenção das redes coletoras e construção de fossas sépticas na zona rural. Seu município só tem a ganhar com isso: a saúde da população melhora e a do solo e da água também. Eis mais um motivo para se preocupar com o meio ambiente em suas metas de campanha!
Metas para um candidato a prefeito #2 - Saneamento básico Metas para um candidato a prefeito #2 - Saneamento básico Reviewed by Túlio Lima Botelho on 10:00 Rating: 5

Nenhum comentário: